Untitled Document
SEXTA-FEIRA, 29 DE MAIO DE 2020
30 de SETEMBRO de 2019 | Fonte: Portal do Governo de Mato Grosso do Sul

Conselhos Comunitários e políticas transversais levam segurança e dignidade a aldeias indígenas

A criação dos conselhos é uma das várias ações do Governo do Estado para atender os indígenas.
Foto: Chico Ribeiro

A quantidade de Conselhos Comunitários de Segurança nas aldeias indígenas irá dobrar em Mato Grosso do Sul, ampliando a proteção dessas populações. De forma inédita, foram criados em julho deste ano os dois primeiros grupos, nas aldeias Bororó e Jaguapiru, ambas em Dourados. Os próximos já estão em fase de implantação nas aldeias Teykue, em Caarapó, e Água Bonita, em Campo Grande.

 

A informação é do coordenador estadual de Polícia Comunitária, Coronel Carlos de Santana Carneiro. “Com esses conselhos criamos uma proximidade maior com essas comunidades, com palestras nas escolas, rondas policiais e orientações, e já tivemos redução em roubos e furtos”, disse.

 

Os Conselhos Comunitários são grupos de pessoas que se reúnem para discutir, analisar, planejar e acompanhar a solução de seus problemas comunitários de segurança, desenvolver campanhas educativas e estreitar laços de entendimento e cooperação.

 

Relatório do Cimi (Conselho Indigenista Missionário) divulgado na terça-feira mostra que os povos indígenas em todo o país ainda estão muito vulneráveis à violência. De acordo com o documento, o número de assassinatos de indígenas no Brasil aumentou de 110, em 2017, para 135, em 2018, um crescimento de 22,7%.

 

A criação dos conselhos é uma das várias ações do Governo do Estado para atender os indígenas. Em 2015, ao assumir o cargo de governador, Reinaldo Azambuja criou a Subsecretaria Estadual de Políticas Públicas para População Indígena. Dentro da política de transversalidade entre as secretarias praticamente todas têm ações específicas para as comunidades indígenas.

 

Um exemplo é o projeto “MS na Mobilização pela Erradicação do Sub-registro Civil de Nascimento e Acesso à Documentação Básica nas Fronteiras”, uma parceria entre governos do Estado e Federal para garantir documentos como certidão de nascimento e documento de identidade (RG) e dar oportunidade aos indígenas para exercerem cidadania e ter acesso ao mercado de trabalho e aos serviços públicos, como atendimento no sistema público de saúde.

 

Outra ação importante é a entrega de cestas em 83 aldeias garantindo a segurança alimentar de milhares de famílias. Foram 705 mil cestas alimentares entregues nos últimos quatro anos (2015-2018).  No mesmo período, o governo pagou ainda mais de R$ 2,35 milhões em bolsas para garantir ensino superior em faculdades particulares por meio do Programa Vale Universidade Indígena.

 

Mato Grosso do Sul possui a segunda maior população indígena do Brasil, com mais de 73 mil pessoas de oito etnias (Atikum, Guarani Kaiowá, Guarani Ñandeva, Guató, Kadiwéu, Kiniquinau, Ofaié e Terena), segundo o último Censo do IBGE.



Untitled Document
Últimas Notícias
Operação em MS busca provas contra policiais civis suspeitos de receberem propina da ‘Máfia do Cigarro’
Publicada com vetos lei sobre ajuda financeira a estados e municípios
Número de pacientes internados por coronavírus em Dourados sobe 50% em 24h
Untitled Document