Untitled Document
SEXTA-FEIRA, 15 DE NOVEMBRO DE 2019
29 de AGOSTO de 2019 | Fonte: O Globo

Dona das marcas Kipling e Timberland diz que não vai mais comprar couro de fornecedores brasileiros

Empresa afirma que só volta a adquirir produto quando tiver segurança de que material não contribui para dano ambiental.
Calçados da Timberland em loja de Nova York (Foto: Timothy Fadek / Bloomberg)

A empresa americana VF Corporation, fabricante de calçados e acessórios em couro e dona de 18 marcas, como Timberland, Kipling, The North Face e Vans, informou que não comprará mais a matéria-prima do Brasil por questionamentos sobre o respeito ao meio ambiente na cadeia de produção.

 

Em comunicado enviado ao GLOBO, a empresa, sediada em Denver, no Colorado, disse que, desde 2017, trabalha para que seus fornecedores estejam de acordo com os requisitos de “abastecimento responsável”.

 

A confirmação da VF Corporation de que suspenderá a compra de couro do Brasil ocorreu após a indústria brasileira de curtume ter recuado na informação sobre o risco deste banimento.

 

Na avaliação da dona das marcas Timberland e Kipling, que não especifica se a decisão tem relação direta com as queimadas na Amazônia, a empresa não consegue “assegurar satisfatoriamente que os volumes mínimos de couro comprados de produtores brasileiros sigam esse compromisso”.

 

A VF diz que interromperá as compras de fornecedores brasileiros “até que haja a segurança que os materiais usados em nossos produtos não contribuam para o dano ambiental no país”.

 

A informação de que a VF havia suspendido as compras de couro brasileiro havia sido inicialmente relatada nesta quarta-feira (28/08) pelo Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB), associação que representa o setor, ao Ministério do Meio Ambiente.

 

Na carta, a instituição dizia que o anúncio da suspensão das importações era uma “informação devastadora” para o Brasil, uma “nação que exporta mais de 80% de sua produção de couros, chegando a gerar US$ 2 bilhões em vendas” ao ano.

 

Além disso, o texto enviado à equipe do ministro Ricardo Salles acrescentava que "é inegável a demanda de contenção de danos à imagem do país no mercado externo sobre as questões amazônicas".

 

No mesmo dia, porém, o CICB voltou atrás e afirmou , em nota à imprensa, que o fornecimento e exportações continuavam normais, sendo o Brasil um dos maiores produtores mundiais de couro.

 

— Estamos recebendo mais telefonemas de clientes para pedir as mesmas informações sobre a origem do couro brasileiro que o setor já está acostumado a passar — diz José Fernando Bello, presidente do CICB.

 

Após o recuo da entidade que reúne fabricantes de couro, o presidente Jair Bolsonaro publicou a seguinte mensagem em rede social:

 

"Mais cedo, jornais publicaram que 18 marcas suspenderam a compra de couro brasileiro. Àqueles que torcem contra o país e que vergonhosamente divulgaram felizes a notícia, informo que o Centro de Indústria de Curtumes do Brasil negou tal suspensão. As exportações seguem normais", postou o presidente.

 

A mensagem do presidente foi postada antes da confirmação oficial das marcas americanas sobre a suspensão da compra de couro brasileiro.

 

O presidente da CICB deve ter uma reunião nesta quinta-feira com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em Porto Alegre. Na pauta, medidas para minimizar os efeitos da crise de imagem do agronegócio brasileiro frente às queimadas.



Untitled Document
Últimas Notícias
Deputados criticam proposta da CCR MSVias e pedem cumprimento de contrato
TRF-4 alega cópia de juíza e abre brecha para Lula
Atividade econômica cresce 0,91% no 3º trimestre
Untitled Document