Untitled Document
SÁBADO, 17 DE AGOSTO DE 2019
22 de MARÇO de 2019 | Fonte: Correio do Estado

Professores protestam contra a Reforma da Previdência

Com atividades paralisadas, governador promete punir os professores.
Professores no início da manifestação, em Campo Grande (Foto: Ariovaldo Dantas/TV Morena)

Professores de Campo Grande paralisaram as atividades e suspenderam aulas nesta sexta-feira (22/03), para protestar contra a Reforma da Previdência. O ato é nacional. Mais de cinco mil manifestantes, se encontraram na frente da Associação Campo-Grandense de Professores (ACP) e agora se concentra na praça do Rádio Clube Campo.

 

Os manifestantes vão fazer uma caminhada, descendo pela avenida Afonso Pena, virar na rua Rui Barbosa, ir até Maracaju e terminar a passeata na  Afonso Pena, na região central.

 

Uma das organizadoras do protesto, a vice-presidente da Federação dos Trabalhadores em Educação (Fetems), Sueli Viegas, disse esperar mais de 15 mil pessoas. “Aqui temos mais de 70% da educação, o restante é de entidades e movimentos centrais”.

 

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB), declarou em entrevista coletiva na manhã de hoje, que o Supremo Tribunal Federal deu aval para cortar o ponto de quem não trabalhar hoje. “O Supremo decidiu essas questões. Pode manifestar, só que aquele que se manifestar, tem resolução e vamos cortar o ponto no vencimento. Regra estabelecida pela instância máxima do judiciário e serve ao setor da educação e a todos os outros também”.

 

Sueli disse que se cortar o ponto, a categoria não vai precisar repor dias parados. “É bom porque não vamos precisar repor os dias parados e se não descontar, vamos repor”, declarou.

 

A vice-presidente comentou ainda que a categoria não está preocupada com o desconto do ponto. “Toda vez sofremos ameaças e represálias, mas vamos lutar sim pelos direitos. Não nos importamos com a questão de desconto”.

 

Lilian Oliveira de 59 anos, é supervisora de escola municipal, e estava entre os manifestantes. Ela declarou não ser contra a reforma em si, mas é contrária a maneira como está sendo colocada. “Não estão observando os direitos das classes trabalhadores, principalmente as professoras mulheres.

 

Como pode fazer uma previdência, sem estar conversando com a gente, ninguém nos representa”, afirmou.

 

De acordo com o professor aposentado, Alceu Vanderlei Lancine, 57 anos, as mulheres são as mais prejudicadas. “Uma amiga minha é professora de educação física, como ela vai dar aula até os 62 anos de idade”, questionou.

 

Os deputados federais Dagoberto Nogueira (PDT) e Vander Loubet (PT), acompanharam a manifestação.

 

Conforme o pedetista, a população tem força para impedir a Reforma. “Eu não tenho força suficiente para isso, para impedir reforma, mexer no texto, mas o povo tem. Se houver essa mobilização como acontece aqui, essa pressão popular, não tenho dúvida que ela não será votada”.

 

Loubet se posicionou contra a Reforma da Previdência. “Esse modelo não atende as necessidades dos trabalhadores. Eu proponho uma auditoria na dívida da previdência”.



Untitled Document
Últimas Notícias
MS apresenta, em julho, melhor resultado na abertura de empresas desde 2013
Praça Sakae Kamitani será inaugurada sábado, dia 17 de agosto
Naviraí registra segunda morte por Influenza A em 2019
Untitled Document